• warning: include(../orelha/yp.php): failed to open stream: No such file or directory in /var/www/data/drupal-6-lts/includes/common.inc(1773) : eval()'d code on line 4.
  • warning: include(): Failed opening '../orelha/yp.php' for inclusion (include_path='.:/usr/share/php') in /var/www/data/drupal-6-lts/includes/common.inc(1773) : eval()'d code on line 4.

Interferência de rádios cresce 278%

Tags:

O número de interferências provocadas por rádios no contato entre pilotos e controladores de vôo no Estado cresceu 278% entre março (65 ocorrências) e junho (246 casos), segundo o Serviço Regional de Proteção ao Vôo. Este mês, até o dia 22, foram 110. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) calcula que 90% das rádios clandestinas que interferem nas comunicações aeronáuticas são reincidentes. A maioria delas opera em potências e freqüências impróprias para rádios comunitárias.

Mas, ao contrário do que se imagina, os problemas de interferência não se restringem às piratas e comunitárias. As 648 rádios comerciais da capital - e outras centenas de outros municípios da Grande São Paulo - costumam causar dores de cabeça para o controle de vôo.

Segundo estimativa da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), a capital tem cerca de 2 mil emissoras irregulares. Mas muitas rádios legalizadas e homologadas operam com potência muito superior à permitida - poluindo ainda mais o já abarrotado dial paulistano.

"Essa situação começou há muito tempo, quando as emissoras aumentaram a potência para serem ouvidas por mais pessoas", diz Gunnar Bedicks, professor do Laboratório de Rádio e TV Digital da Universidade Mackenzie, considerado um dos maiores especialistas do setor. "Como a Anatel não consegue fiscalizar, virou uma bagunça, ninguém respeita a lei."

Quando a agência autoriza o funcionamento de uma emissora, ela determina a potência máxima que poderá ser utilizada. "A história começa quando a Anatel fixa em 10 watts de potência, por exemplo, e a rádio quer ser esperta e coloca 1 mil watts", conta. "Como ninguém checa as transmissões, uma rádio se sobrepõe à outra."

Para piorar a situação, o professor diz que muitas rádios sem autorização para operar em São Paulo se instalam em cidades como Osasco, Mogi das Cruzes, Mauá ou Taboão da Serra e utilizam uma potência muito alta para alcançar a capital. "Temos uma superpopulação de rádios no dial."

A Anatel garante que sua equipe, de 200 agentes, é suficiente para fiscalizar o Estado, mas afirma que responsáveis pelas rádios não outorgadas usam vários artifícios para burlar a fiscalização. Na região metropolitana, a Anatel fechou 94 rádios não outorgadas em 2007; em 2006 foram 127. A lei prevê, para quem mantiver rádio clandestina, pena de 2 a 4 anos de prisão e multa de R$ 10 mil.

Por: Camilla Rigi e Rodrigo Brancatelli

Fonte: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20070830/not_imp43360,0.php