• warning: include(../orelha/yp.php): failed to open stream: No such file or directory in /var/www/data/drupal-6-lts/includes/common.inc(1773) : eval()'d code on line 4.
  • warning: include(): Failed opening '../orelha/yp.php' for inclusion (include_path='.:/usr/share/php') in /var/www/data/drupal-6-lts/includes/common.inc(1773) : eval()'d code on line 4.

Histórico da Rádiocom

Tags:

Por Núcleo Popular de Jornalismo 07/07/2006 às 18:16

A história da Rádiocom inicia no ano de 1998, a partir da iniciativa de algumas pessoas e sindicatos de trabalhadores de Pelotas. Inicialmente tomaram a frente do projeto o Sindicato dos Bancários e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias e Cooperativas da Alimentação, o STICAP.

A história da Rádiocom inicia no ano de 1998, a partir da iniciativa de algumas pessoas e sindicatos de trabalhadores de Pelotas. Inicialmente tomaram a frente do projeto o Sindicato dos Bancários e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias e Cooperativas da Alimentação, o STICAP. Estes sindicatos, ao observarem a importância da necessidade da democratização dos meios de comunicação no Brasil e o seu papel enquanto entidades que representam os trabalhadores das suas categorias específicas e, mais do que isso, a luta geral dos trabalhadores na dimensão da política de caráter solidário e classista defendida pelos princípios dos quais ambos são signatários no âmbito da sua organização nacional através da Central Única dos Trabalhadores - CUT , definiram um calendário de encontros para iniciar a construção de uma rádio comunitária de caráter popular em Pelotas.

Desde as primeiras reuniões, ocorridas no Sindicato dos Bancários, que foi o “berço” da Radiocom, definiu-se que seriam seguidos os princípios que regiam o movimento nacional de rádios comunitárias, através da sua associação: a ABRAÇO.

Iniciou-se aí um processo de trocas de experiências com reuniões abertas à comunidade e que, ao longo do tempo, foram agregando mais sindicatos de trabalhadores, movimentos e pessoas da comunidade.

Entre os setores que compuseram o “mosaico” inicial da experiência da Radiocom estavam, além de representantes de diversos sindicatos, o movimento hip-hop, artesãos, músicos, ambientalistas, estudantes, curiosos, jornalistas, movimento negro, radialistas excluídos das rádios oficiais, etc. Um dado interessante é o de que, pelo fato da iniciativa de construção da emissora haver partido de sindicatos de trabalhadores, poderia haver o risco da emissora assumir um caráter de “rádio sindical”, porém desde o início o projeto orientou-se na perspectiva de um meio plural, aberto as iniciativas existentes na comunidade.

Os primeiros desafios do processo de construção da emissora eram a parte legal, o financeiro e o caráter da emissora. Os sindicatos mobilizaram-se e estabeleceram uma política de cotas para que fossem comprados os equipamentos. Paralelo a isso se realizaram as discussões para a definição da potência da rádio, localização, modelo de gestão e conteúdo de programação.

Ficou definido que a emissora teria como princípios a luta pela liberdade e democratização dos meios de comunicação, dar voz aos movimentos sociais que são geralmente excluídos da mídia oficial local, denunciar os abusos da mídia oficial, ter programação voltada para a informação e educação, valorizar a cultura local e popular e proporcionar a participação da sociedade na emissora.

O período de gestação da Radiocom durou de 1998 até 2001, com incessantes reuniões e debates acerca do tipo de música que deveria e que não deveria tocar, de como seria a programação informativa, os programas, etc. Em 1999, após duas assembléias gerais abertas à comunidade e divulgadas com edital público nos jornais locais, foi realizada a fundação da Associação Cultural Radio Comunidade FM de Pelotas – Radiocom. Logo a seguir, com a legalização da associação, deram-se os encaminhamentos de envio de documentação ao Ministério das Comunicações com pedido de liberação de um canal de Rádio Comunitária para Pelotas, o que até hoje não foi deferido.

A Radiocom teve uma primeira experiência no ar, algo como uma pré-estréia, ao transmitir ao vivo do pátio do antigo Instituto de Ciências Humanas da UFPEL, um evento organizado pelo movimento negro de Pelotas: foi o 1º Encontro da Consciência Negra, que ocorreu no dia 18 de novembro de 2000. Os “rádiocomunitários” transferiram para o local todo o aparato de equipamentos da emissora para a realização da transmissão. O detalhe curioso é que a antena foi instalada no alto de um bambu, que foi tirado do varal de secar roupas da casa dos pais de um dos membros da rádio.

Finalmente no dia 12 de junho de 2001 a Radiocom entrou no ar e agora na Internet .

Email: contato arroba radiocom.org.br
URL: http://www.radiocom.org.br

Retirado de http://www.midiaindependente.org/pt/blue//2006/07/357345.shtml
© Copyleft http://www.midiaindependente.org: É livre a reprodução para fins não comerciais, desde que o autor e a fonte sejam citados e esta nota seja incluída.