• warning: include(../orelha/yp.php): failed to open stream: No such file or directory in /var/www/data/drupal-6-php7/includes/common.inc(1769) : eval()'d code on line 4.
  • warning: include(): Failed opening '../orelha/yp.php' for inclusion (include_path='.:/usr/share/php') in /var/www/data/drupal-6-php7/includes/common.inc(1769) : eval()'d code on line 4.

Rádio Várzea: novas ondas, novas idéias

A transformação da mídia, na busca de uma liberdade de expressão vinculada a uma liberdade de acesso aos meios necessários para colocarmos nossas idéias onde desejamos, encontra nas rádios livres, comunitárias, piratas uma possibilidade de efetivação.

Alguns nos dizem que ondas piratas são capazes de derrubar avião. Como somos potentes e perigosos! Porém desde a década de 80 quando começam os primeiros movimentos da construção de rádios livres não comerciais no Brasil, nunca se soube de algum jato particular ou avião de carga que tenha sido derrubado por ondas, ondas livres.

Com o controle rígido sobre os meios de comunicação grandes mentiras podem virar verdades intocáveis. O controle da informação defende os interesses daqueles que o detém, sendo as vozes diferentes resumidas a pequenas notas de fim de página. Pesquisas forjadas sobre os transgênicos para comprovarem que esses produtos não oferecem riscos para a saúde foram veiculadas por toda imprensa com euforia, essas pesquisas foram financiadas e forjadas pela Monsanto.

A repressão contra rádios livres, comunitárias, não comerciais, com ações repressoras (do atual governo e dos já falecidos tucanos) está vinculada à manutenção de uma mídia elitizada. É uma necessidade falarmos em igualdade para que possamos atingir uma sociedade igualitária e harmoniosa. Durante esse primeiro ano de governo Lula a ANATEL (agência controladora das telecomunicações) fechou mais rádios comunitárias do que durante o mesmo tempo no governo de FHC. Outro fato que temos que levar em conta é a nomeação do novo ministro das telecomunicações, Eunicio Lopes Oliveira, que é proprietário de várias concessões de rádio.

O direito de possuir uma rádio ou televisão, as concessões, foi implantado durante a ditadura militar. Roberto Marinho é um nome entre tantos outros que fizeram acordos com os militares para conquistarem seus latifúndios midiáticos. Nunca seriam dadas concessões para aqueles que discordassem do regime militar, somente àqueles que silenciaram-se perante o autoritarismo. O uso necessário da mídia para a manutenção do regime seria mediado por esses caciques das comunicações.

Nesse contexto a Radio Livre 106,7 se insere com suas especificidades. Atuamos dentro de uma universidade pública onde o processo de privatizações anda a passos largos (fundações, cursos pagos, financiamento privados de pesquisas) e o conservadorismo fica cada dia mais evidente (o silêncio perante a reforma universitária). Essa atuação nos faz refletir sobre o uso do espaço público, que tem sido para fins privados e outros fins que visam a manutenção da sociedade atual, uns poucos com controle sobre muitos.

Há dois anos quando esse coletivo se formava na tentativa de criar uma rádio livre não comercial, via-se a necessidade de romper com a lógica das rádios comerciais existentes que buscam apenas lucros, pautando sua programação pelo dinheiro, mesmo que para isso seja necessária a repetição de idéias machistas, sexistas, preconceituosas, ridicularização de diferenças, padronização estética. Novas sonoridades, novas musicalidades não somente para serem colocadas no ar. Junto com o play a busca de uma propagação de idéias que questione nossas vidas é imprescindível. Afinal, falamos de um microfone não autorizado, esse não é o espaço para a reprodução e sim para a subversão.

Outro momento de rompimento necessário foi nossa organização. Não acreditamos em pessoas inferiores e superiores, mandantes e mandados. Estabelecemos a igualdade das responsabilidades e decisões, negando relações hierarquizadas entre as pessoas desse coletivo. Aqueles dispostos a fazer acontecer essa rádio irão compartilhar das decisões e responsabilidades, uma organização que possibilite a troca de experiências entre todos.

Na busca de uma transformação da mídia, a Rádio Livre 106,7 se funde com outras rádios livres, comunitárias, piratas, não comerciais para subverter o monopólio midiático e encontrar possibilidades de uma sociedade mais igualitária e livre.

Fevereiro 2004
Coletivo Rádio Livre 106,7 - http://varzea.radiolivre.org

AttachmentSize
varzea-novas-ondas-novas-ideias.pdf8.84 KB